domingo, 17 de agosto de 2014

O cortiço- fragmento- 2º ano

O texto que segue é um fragmento do capítulo III “O cortiço”
Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.  
Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada sete horas de chumbo. Como que se sentiam ainda na indolência de neblina as derradeiras notas da ultima guitarra da noite antecedente, dissolvendo-se à luz loura e tenra da aurora, que nem um suspiro de saudade perdido em terra alheia. 
A roupa lavada, que ficara de véspera nos coradouros, umedecia o ar e punha-lhe um farto acre de sabão ordinário. As pedras do chão, esbranquiçadas no lugar da lavagem e em alguns pontos azuladas pelo anil, mostravam uma palidez grisalha e triste, feita de acumulações de espumas secas.  
Entretanto, das portas surgiam cabeças congestionadas de sono; ouviam-se amplos bocejos, fortes como o marulhar das ondas; pigarreava-se grosso por toda a parte; começavam as xícaras a tilintar; o cheiro quente do café aquecia, suplantando todos os outros; trocavam-se de janela para janela as primeiras palavras, os bons-dias; reatavam-se conversas interrompidas à noite; a pequenada cá fora traquinava já, e lá dentro das casas vinham choros abafados de crianças que ainda não andam. No confuso rumor que se formava, destacavam-se risos, sons de vozes que altercavam, sem se saber onde, grasnar de marrecos, cantar de galos, cacarejar de galinhas. De alguns quartos saiam mulheres que vinham pendurar cá fora, na parede, a gaiola do papagaio, e os louros, à semelhança dos donos, cumprimentavam-se ruidosamente, espanejando-se à luz nova do dia.
Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam-se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas.  
O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e rezingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.

Agora, responda:
 1- Um procedimento narrativo característico do Naturalismo é apresentar o ambiente físico e social num grande painel informativo, como se o narrador estivesse munido de uma máquina fotográfica dotada de lentes do tipo zum, que lhe permitisse compor e decompor par o leitor os detalhes do cenário em que ocorrem os fatos.
a- Quais são os índices da vida miserável e desconfortável do cortiço?

b- Que grupo social é descrito nessa cena?

c- Qual é a atmosfera reinante no acordar do cortiço?

2- De que ponto de vista (físico, psicológico ou social) as personagens são descritas? Justifique com elementos do texto.

3- “As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam suspendendo o cabelo todo para o alto do casco (...)”.
Em que essa descrição da mulher difere da descrição da mulher romântica?

4- O ser humano é visto pelo naturalista numa perspectiva biológica, em que se considera seu lado instintivo e animal.
a) Retire do texto alguns trechos que comprovem a animalização dos habitantes do cortiço.

b) Há algum trecho em que se pode identificar o sensualismo? Se houver, indique-o.

5- Releia o 5º parágrafo do texto e responda: há nesse trecho algum exemplo de degradação humana? Se houver, exemplifique.

6- O Naturalismo demonstra gosto por agrupamentos coletivos. Por que, na sua opinião, no texto em estudo, o narrador não singulariza ou individualiza os habitantes?

7- A linguagem naturalista caracteriza-se pela adoção de uma postura cientifica diante da realidade. Por que o foco narrativo em 3ª pessoa é o mais adequado para esse fim?

8- O narrador, para dar cor local à sua narrativa, utiliza-se de inúmeras sugestões sensitivas. Retire do texto exemplos de sensações olfativas, auditivas, táteis e visuais.

9- Tal qual o Realismo, o Naturalismo preocupa-se com pormenores, tornando a narrativa lenta. Indique uma passagem significativa que ilustre essa afirmação.

10- Um dos sentidos da palavra cortiço é “caixa cilíndrica, de cortiça, na qual as abelhas se criam e fabricam o mel e a cera”. Relacione esse sentido da palavra ao trecho: “Daí a pouco, em volta das bicas era um zun-zum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas”.

11- Em relação ao 5º parágrafo, assinale e justifique com exemplos do texto:
a- Descreve sentimentos e emoções humanas, apenas.
b- Narra ações de personagens individualizadas, personalizadas.
c- Faz referência a inúmeras partes anatômicas do corpo humano.
d- Idealiza, melhora a qualidade caracterizada.
e- Relata estados de espírito do narrador.
12- Relacione as expressões abaixo com o sentido humano que cada uma envolve(visão...)
a- Sete horas de chumbo
b- Notas da última guitarra
c- Luz loura e tenra da aurora
d- Palidez grisalha e triste
e- Farto acre de sabão ordinário.
f- Esbranquiçadas no lugar da lavagem
g-O cheiro quente do café aquecia.

16 comentários:

  1. Porque já não coloca logo o gabarito aí, muito mais facil

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Gente, esse material é usado com minhas turmas, não forneço gabarito!!!

    ResponderExcluir